11 de abr de 2018

INDESEJADAS - Kristina Ohlsson

Série Fredrika Bergman – Volume 1
Editora: Vestígio
Ano: 2017
Páginas: 400
ISBN: 9788582863916


Sinopse: Uma garotinha desaparece de um trem com destino ao centro de Estocolmo. Em outra parte da Suécia, uma jovem vive oprimida pelo homem que um dia pensou ser seu príncipe encantado – e ela sabe melhor do que ninguém o motivo pelo qual a menina sumiu. A analista criminal Fredrika Bergman enfrenta dificuldades para ser aceita na equipe liderada pelo inspetor Alex Recht, que tem como braço direito o impetuoso investigador Peder Rydh. Fredrika, a única com formação acadêmica entre os policiais, trava uma difícil batalha para conduzir o caso por uma linha de investigação diferente daquela escolhida pelo restante da equipe. O caso ganha contornos dramáticos, e o que todos temiam não pode ser evitado. A equipe deve se apressar para chegar ao agressor antes que mais vidas sejam perdidas. Quanto tempo eles realmente terão até que o criminoso dê seu próximo passo?

"E as mulheres não mereciam os filhos porque, se não gostavam de todas as crianças, não deviam ter nenhuma." (p. 96)


Lilian, uma garotinha de seis anos some misteriosamente em um trem. Parece que uma série de coincidências conspirou para que isso acontecesse. A mãe saiu para telefonar, enquanto o trem fazia uma parada, e perdeu o trem. O funcionário que estava de olho na menina teve que afastar-se por alguns instantes para resolver uma confusão em outro vagão e, neste instante, a menina sumiu. Mas não foram meras coincidências. Tudo fazia parte de um plano: sequestrar Lilian.

Nossa heroína é a investigadora Fredrika, que sente o preconceito dos colegas policiais por ser mulher e por ter estudado mais que os outros. Parece que o livro quer mostrar bem esse aspecto do preconceito contra as mulheres. Já no início das investigações, percebemos que Fredrika é mais inteligente e perspicaz que os colegas. A analista criminal percebe detalhes que eles deixaram passar, mas fazem questão de ignorá-la.

Peder é colega de Fredrika. Além de ser um completo idiota, se acha o “fodão”. Trai a esposa deprimida (após dar a luz a gêmeos) com uma colega de trabalho e ainda acha que é o coitadinho da história. Alex é o chefe da equipe. Também é um pouco machista, mas não aprova o comportamento de Peder.

A equipe toda fica chocada quando a criança é encontrada morta e, logo depois, outra criança é sequestrada. No decorrer da investigação, quando passam a ouvir mais o que Fredrika tem a dizer, a equipe fica mais entrosada e a própria história fica mais interessante. As picuinhas iniciais entre os investigadores tornam a leitura chata e cansativa, fazendo com que o livro demore um pouco para "engrenar". O que o leitor quer é saber mais sobre o caso investigado e não sobre as disputas de ego entre os membros da equipe.

Tão importante quanto descobrir quem é o assassino é descobrir o porquê. A partir de uma frase dita pelo assassino, logo deduzi o motivo. Sobre a identidade do assassino, ao longo da narrativa, encontramos várias pistas e algumas nos enganam. Quando você pensa que desvendou o mistério, ocorre uma reviravolta. A autora conseguiu me enganar direitinho...

No final, o caso é resolvido, mas as questões pessoais dos detetives, não. Acredito que os próximos livros, além de trazer um novo caso, continuarão contando sobre a vida dos personagens. Ainda não decidi se lerei outros livros da série. Gostei da leitura, mas não achei tão empolgante, faltou um pouco de ritmo. Talvez o próximo livro melhore nesse aspecto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente e faça uma blogueira sonhadora feliz!