11 de mar. de 2020

A MULHER NA JANELA - A. J. Finn

Editora: Arqueiro
Ano: 2018
Páginas: 352
ISBN: 9788580418323




Sinopse: Anna Fox mora sozinha na bela casa que um dia abrigou sua família feliz. Separada do marido e da filha e sofrendo de uma fobia que a mantém reclusa, ela passa os dias bebendo (muito) vinho, assistindo a filmes antigos, conversando com estranhos na internet e... espionando os vizinhos. Quando os Russells – pai, mãe e o filho adolescente – se mudam para a casa do outro lado do parque, Anna fica obcecada por aquela família perfeita. Até que certa noite, bisbilhotando através de sua câmera, ela vê na casa deles algo que a deixa aterrorizada e faz seu mundo – e seus segredos chocantes – começar a ruir. Mas será que o que testemunhou aconteceu mesmo? O que é realidade? O que é imaginação? Existe realmente alguém em perigo? E quem está no controle?


Não é paranoia se está realmente acontecendo.

Anna Fox é uma psicóloga muito perturbada. É irônico uma psicóloga com problemas psicológicos... Mas, é isso mesmo. Ela sofre de agorafobia, que é o medo de lugares abertos, e não sai de casa de jeito algum.

O livro todo é narrado em primeira pessoa por Anna. Ela nos conta que não vai para a rua há quase um ano. Manda trazer as compras em casa; pede para o inquilino levar o lixo para fora e recebe o psiquiatra e a massagista em casa. Para passar o tempo, fica bisbilhotando os vizinhos e bebendo vinho.

Não sabemos o que aconteceu para ela ficar desse jeito. Mas sabemos que era casada e tinha uma filha. Ao que parece, o marido e a filha estão longe, mas não sabemos o porquê. Anna está sozinha na imensa casa (são cinco andares!).

Anna é uma protagonista imperfeita, faz tudo errado (mistura álcool com remédios controlados e ainda espera melhorar!). Ela também é uma incógnita. No decorrer da leitura, vamos descobrindo os seus segredos.

A rotina de Anna muda quando novos vizinhos, os Russells, se mudam para a casa próxima. Um dia, inesperadamente, Ethan, o filho adolescente, vem visitá-la. No outro, vem a mãe, Jane. Anna gosta dos dois e logo faz amizade com eles.

Em uma das ocasiões em que está bisbilhotando a casa dos Russells, Anna vê Jane sendo esfaqueada por alguém. Mas não consegue ver quem. Ela chama a polícia e tenta vencer sua fobia de sair de casa para socorrer Jane. O problema é que Anna está bêbada e drogada de remédios. Quando chega ao parque, ela desmaia e só acorda no hospital, com a polícia interrogando-a.

A partir daí o mistério aumenta. O marido de Jane, Alistair, nega o acontecido e afirma que a esposa está bem. Mas Anna a viu sendo esfaqueada! O marido traz Jane para a casa de Anna para mostrar que está sã e salva. O problema é que aquela mulher não é a Jane que Anna conheceu! O mais estranho de tudo, é que Ethan confirma que aquela é a sua mãe!

Todos duvidam da sanidade de Anna e a acusam de ter inventado tudo. Ela própria começa a se questionar sobre o que viu e passa a investigar por conta própria, para ter certeza.

Em meio a todo esse mistério, vamos descobrir a verdade sobre o passado de Anna. A narrativa é cheia de reviravoltas. Quando você tem certeza de algo, descobre mais tarde que não era nada daquilo. O final é bem chocante. Adorei todo esse mistério e todas as reviravoltas da trama! É o tipo de suspense que me prende. Nem preciso dizer que estou ansiosa para assistir ao filme, né?

4 de mar. de 2020

UMA SOMBRA NA ESCURIDÃO - Robert Bryndza

Série Detetive Erika Foster - Livro 2
Editora: Gutenberg
Ano: 2017
Páginas: 336
ISBN: 9788582354308



Sinopse: Em uma noite de verão, a Detetive Erika Foster é convocada para trabalhar em uma cena de homicídio. A vítima: um médico encontrado sufocado na cama. Seus pulsos estão presos e através de um saco plástico transparente amarrado firmemente sobre sua cabeça é possível ver seus olhos arregalados. Poucos dias depois, outro cadáver é encontrado, assassinado exatamente nas mesmas circunstâncias. As vítimas são sempre homens solteiros, bem-sucedidos e, pelo que tudo indica, há algo misterioso em suas vidas. Mas, afinal, qual é o segredo desses homens? Qual é a ligação entre as vítimas e o assassino? Erika e sua equipe se aprofundam na investigação e descobrem um serial killer calculista que persegue seus alvos até achar o momento certo para atacá-los. Agora, Erika Foster fará de tudo para deter aquela sombra e evitar mais vítimas, mesmo que isso signifique arriscar sua carreira e também sua própria vida.

A sombra respirou fundo, saiu da escuridão e subiu as escadas silenciosamente. Para observar. Para aguardar. Para colocar em prática a vingança que há tanto tempo planejava.”

Este é o primeiro livro do autor que leio; ainda não li A Garota no Gelo (primeiro livro da série, que foi muito comentado), mas pretendo ler.

Nessa série, temos mais uma protagonista mulher, a detetive Erika Foster. Ultimamente estou me deparando com muitos suspenses policiais com protagonistas femininas...

Erika está se recuperando da perda trágica do marido, que também era policial, em uma ação que ela comandou. A culpa que sente é imensa. Erika também está pleiteando uma promoção na polícia, mas se sente preterida por ser mulher e por causa da ação desastrada que causou a morte de seu marido e de outros policiais.

Um respeitado médico é assassinado. A detetive Erika é chamada para investigar o caso. Aparentemente, o assassino planejou tudo e não deixou nenhuma pista. Dias depois, o corpo de outro homem é encontrado, assassinado nas mesmas circunstâncias. A partir dali, Erika e sua equipe passam a ter a certeza de que estão lidando com um serial killer. Não demora muito para descobrirem que o assassino é uma mulher.

Não fica difícil deduzir logo de cara que o assassino é uma mulher (antes dos investigadores). O livro nos dá pistas. O leitor conhece a assassina e descobre suas motivações bem antes da equipe de investigação.

Acho um pouco repetitivo que todos os livros policiais que leio fazem questão de mostrar que não há verba para a segurança, que não há policiais suficientes, que o ar condicionado está quebrado, que as máquinas de refrigerante da delegacia não funcionam, etc, etc. Já vi isso em vários livros policiais. Mesmo assim, eles têm profissionais excelentes e exames de DNA muito precisos! Tem até um banco de impressões de orelhas! Sério, gente! Isso está no livro!

Comentários à parte, o suspense é bom, com reviravoltas e fatos inesperados. Pretendo ler outros livros do autor para formular melhor minha opinião sobre sua escrita.