22 de abr de 2014

ORGULHO e PRECONCEITO - Jane Austen

Editora: BestBolso
Ano: 2012
Páginas: 391
ISBN: 9788577992652 

Sinopse: Na Inglaterra do final do século XVIII, as possibilidades de ascensão social eram limitadas para uma mulher sem dote. Elizabeth Bennet, de vinte anos, uma das cinco filhas de um espirituoso, mas imprudente senhor, no entanto, é um novo tipo de heroína, que não precisará de estereótipos femininos para conquistar o nobre Fitzwilliam Darcy e defender suas posições com perfeita lucidez de uma filósofa liberal da província. Lizzy é uma espécie de Cinderela esclarecida, iluminista, protofeminista. Neste livro, Jane Austen faz também uma crítica à futilidade das mulheres na voz dessa admirável heroína — recompensada, ao final, com uma felicidade que não lhe parecia possível na classe em que nasceu. 

Comecei o livro com um pouco de dificuldade de ir adiante, achei um pouco sem graça no início. Talvez porque eu tenha comprado uma versão pocket (igual ao da imagem acima), com letras pequenas... e muitas letras por página! 

Continuando a leitura, a história foi me prendendo de tal modo que passei a devorar o livro. Senti a necessidade urgente de saber se Darcy e Elizabeth ficariam juntos!

Jane Austen descreve cada personagem proporcionando ao leitor uma clara visão sobre o comportamento, o caráter e as ambições de cada um. Elizabeth (ou Lizzy), me conquistou logo de cara, adorei seu jeito discreto mas verdadeiro de ser. O pai dela também é uma figura! O sarcasmo e a ironia em pessoa. Também gostei muito de Jane, a irmã mais velha de Lizzy, uma pessoa doce e sensata. Darcy é orgulhoso e arrogante. Mas não é má pessoa, apenas não suporta a bajulação e a falsidade. A mãe de Lizzy é a bajulação em pessoa, ô pessoinha mais falsa e interesseira! E as outras três irmãs são umas desmioladas.

Os diálogos são ótimos! As coisas não são ditas diretamente, está tudo nas entrelinhas. Flertes, ofensas ou ironias, tudo é dito de forma indireta, mas é perfeitamente compreendido pelo outro.

Apesar de ser um romance de época, há alguns aspectos muito presentes na sociedade atual. A hipocrisia, a falsidade e a valorização de quem tem dinheiro, continua até hoje. O orgulho e o preconceito ainda andam juntos.

Estamos tão acostumados com leituras imediatas, onde tudo acontece rapidamente, que estranhamos quando nos deparamos com um livro que precisa ser apreciado.

Quem gosta de romances de época, vai adorar. Até porque não é apenas um simples romance, é uma obra prima! A leitura vale a pena!

15 de abr de 2014

UM HOMEM DE SORTE - Filme

Direção: Scott Hicks
Duração: 101 minutos
Ano: 2012
Classificação: 12 anos
Gênero: Drama


Sinopse: "Um Homem de Sorte" conta a história do sargento da Marinha norte-americana Logan Thibault (Zac Efron), que retorna após servir no Iraque pela terceira vez, trazendo a única coisa que ele considera que o mantém vivo - uma fotografia que ele encontrou de uma mulher desconhecida. Após descobrir onde ela mora e que seu nome é Beth (Taylor Schilling), ele vai até sua casa e acaba aceitando um emprego no canil administrado por sua família. Apesar da desconfiança inicial de Beth e de seus problemas pessoais, eles iniciam um romance, fazendo com que Logan espere que Beth possa ser muito mais do que seu amuleto da sorte. 

Não li o livro, por isso não posso dizer se o filme foi fiel ou não à história de Nicholas Sparks. 

Um homem de Sorte conta a história de Logan que, durante a guerra, encontra a foto de uma moça e a guarda consigo. Depois de encontrar a foto, sobrevive a diversos perigos e passa a acreditar que a foto lhe trouxe sorte e salvou sua vida.

Quando retorna para casa, decide partir levando seu cachorro, para encontrar a moça da foto para agradecer. Ele a encontra. A moça da foto é Beth, que vive com a avó e o filho de oito anos. As duas possuem uma espécie de hotel para cachorros (adorei essa parte!). O lugar é lindo, com algumas paisagens de tirar o fôlego.

Simpatizei com Logan logo de cara (tão lindo!), bom caráter, sempre disposto a ajudar. Não simpatizei tanto com Beth, achei-a um pouco chatinha (acho que tenho um problema com as mocinhas, é difícil gostar delas...). A avó é um máximo, muito divertida! O filho também é um garoto muito legal.

Uma história de amor contada de uma forma simples e suave, nos faz acreditar que existe destino. Indico para quem gosta de romance. É bom para assistir em um sábado à tarde, pode ser em um dia de chuva... Assisti na companhia da minha mãe, ela adorou! Até eu, que não sou muito chegada a filmes românticos, gostei!


7 de abr de 2014

OS FILHOS DE ANANSI - Neil Gaiman

Editora: Conrad
Ano: 2012
Páginas: 344
ISBN: 9788576165019 

Sinopse: Em Os Filhos de Anansi, Neil Gaiman retorna ao território explorado em Deuses Americanos - o dos mitos e deuses pagãos. E com um tema bastante mundano: a tumultuada relação familiar do esperto e bem-humorado deus africano Anansi e seus dois filhos, Charles e Spider. Charles nunca teve uma relação agradável com o pai, que ele considerava simplesmente constrangedor, nem sabia que ele era Anansi, o trapaceiro deus-aranha. Sequer fazia ideia de que tinha um irmão, Spider, ou imaginava no que sua vida se transformaria após tomar conhecimento disso. E, principalmente, jamais poderia prever que, para colocar tudo de volta nos eixos, teria que mergulhar de cabeça no sombrio e enigmático mundo dos deuses. Com um senso de humor afiado e marcante, Gaiman cria um novo capítulo para sua mitologia contemporânea.

Um livro totalmente diferente de tudo que já li. Uma mistura de realidade e fantasia. Muito doido! Gostaria de saber de onde o autor tirou tantas coisas estranhas para juntar nessa história! É o primeiro livro dele que leio, não conhecia sua forma de escrever. 

No início, achei o livro meio chato. Não gostei muito do protagonista Charles. Mas, apesar disso, dei algumas boas risadas com ele. No decorrer da história fui simpatizando cada vez mais com Charles e com os outros personagens. Gostei bastante do final, me surpreendeu positivamente.

É uma leitura que requer muita atenção, pois acontecem muitas coisas e todas são absurdas e impossíveis! Às vezes eu parava e voltava para ler o parágrafo, para ter certeza de que era aquilo mesmo que eu tinha lido. Senti dificuldades para imaginar as cenas e personagens descritos de tão improváveis que eram. 

Indico para quem procura um livro leve e divertido, cheio de coisas malucas. Para quem quer viajar por um mundo onde tudo pode acontecer e para quem não se importa muito com a lógica dos fatos (a história segue uma lógica própria do autor).